E-mail
Pratos tradicionais do almoço do Círio são heranças de misturas culturais Imprimir
Escrito por Administrator   
Ter, 10 de Outubro de 2017 10:08

Os tradicionais pato no tucupi e a maniçoba, considerados comidas típicas regionais originárias de práticas alimentares indígenas, passaram por mudanças na forma do preparo adquiridas da cozinha portuguesa. A mistura resultou em uma culinária paraense caracterizada como uma "cozinha mestiça". É o que afirma  a tese de doutorado do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Pará realizada pela professora Sidiana Macedo.

Intitulada "A cozinha Mestiça: uma história da alimentação em Belém - fins do século XIX a meados do século XX", a pesquisa aponta que o pato no tucupi tem origem nos grupos indígenas, mas, aos poucos, foram sendo incorporadas técnicas do assado à moda portuguesa. Os índios consumiam o pato apenas cozido no tucupi com farinha e pimenta. A produção em duas etapas, primeiro assar, depois cozer no molho de tucupi, a incorporação da folha do jambu, temperos e o acréscimo de arroz são influências portuguesas.

Sobre a maniçoba, a tese afirma que já era consumida desde o século XVI.  Originariamente, misturava-se a maniva, após cozida, com peixe e temperava-se com pimenta. Com o passar do tempo, passou a ter em sua composição o toucinho português,  outros temperos e o refogado, seguindo o padrão português de fazer guisado.

A pesquisadora afirma, ainda, que não se pode pensar a maniçoba apenas como uma especialidade do Pará. A receita de maniçoba é encontrada no Recôncavo Baiano como uma prato típico da região.  A maniçoba do Recôncavo tem preparo e ingredientes semelhantes à produzida no Norte, diferindo em alguns pontos, sendo a baiana um pouco mais seca e servida apenas com farinha fina.

Círio - A pesquisa faz, também, um levantamento a respeito das receitas servidas nos restaurantes e cafés de Belém durantes as festividades do Círio de Nazaré. Em 08 de outubro de 1887, dia do Círio, o "Café Chic", anunciava que, desde as seis horas da manhã, iria oferecer aos romeiros chocolate, café com leite, chá com torradinha, doces e fatias de bolos.

No Arraial de Nazaré, no Círio de 1927, na Barraca da Santa, o cardápio ofertava aos fregueses o "Pato no Tucupy, Camarão ao molho Bechamel, Caruru à maranhense, Galatine de galinha, Mussuan com pimenta, Peru assado com fiambre e Gateau de banana".

Aceitação de misturas - A tese aponta que todas estas transformações percebidas nos pratos típicos do Círio de Nazaré, ao longo do tempo, revelam que a cozinha do Pará é resultado de aceitação de misturas e de permanência das tradições. "Nossa comida não é pura, e resultado de mestiçagem que enriquecem a cozinha paraense", afirma a historiadora.

Texto: Divulgação
Foto: Reprodução Google

 

Copyright © 2016 Instituto de Ciências da Arte - UFPA

Avenida Presidente Vargas, S/N, Praça da República - Belém - Pará - Brasil, CEP 66017-060 - Tel: Secretaria: (91) 3241-5801, Fax: (91) 3241-8369. E-mail: ica@ufpa.br