Essa pagina depende do javascript para abrir, favor habilitar o javascript do seu browser!
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Projeto de pesquisa da UFPA debate inovação territorial no Quilombo do Igarapé Preto, em Oeiras do Pará
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Projeto de pesquisa da UFPA debate inovação territorial no Quilombo do Igarapé Preto, em Oeiras do Pará

  • Publicado: Segunda, 13 Junho 2022 13:56
  • Última Atualização: Segunda, 13 Junho 2022 13:56

Com um investimento de 626.630,62, a Comissão de Regularização Fundiária da Universidade Federal do Pará (CRF-UFPA) e a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica do Estado do Pará (Sectet) apresentarão, entre os dias 16 e 19 de junho, o Projeto de Pesquisa e Extensão Inovação Territorial para Jovens e Adultos na Associação dos Remanescentes de Quilombo de Igarapé Preto e Baixinha (Arqib), Oeiras do Pará, que fica a 344 km de Belém pela PA-151. A primeira atividade ocorrerá dia 16 de junho, às 15h, na sede da associação.

Segundo RenatodasNeves, pesquisador do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará (ITEC-UFPA) e coordenador da parceria, o diálogo com o reitor da Universidade Federal do Pará, EmmanuelTourinho, foi realizado em dezembro de 2021, revelando as dinâmicas temporais construtivas dos projetos de cooperação entre as instituições públicas, a sociedade civil e as comunidades.  O objetivo do projeto é promover o desenvolvimento humano e social equitativo da comunidade quilombola, por meio das famílias que desenvolvem as suas práticas culturais agroalimentares e têm vocação para integrar uma rede de empreendedores interessados em escoar a produção agroalimentar como um modelo de negócio inovador, de base comunitária. “Um olhar de geração de emprego, renda e inovação territorial”, afirma.

Nestas ações, já compartilhadas com a presidente da Associação dos Remanescentes do Quilombo de Igarapé Preto e Baixinha, Marinilva Martins, serão realizadas atividades de pesquisa e extensão envolvendo mobilização institucional, técnica e comunitária para o desenvolvimento de estudos e diagnóstico socioambiental.  

Reunião com reitor Tourinho e equipe da CRF UFPA sobre Igarapé Preto“Respeitando os saberes locais, trabalharemos para formar empreendedores, fortalecer desenvolvimento sustentável e reduzir índices de conflitos socioambientais. As oficinas de aprendizagem compartilharão conhecimentos sobre o empreendedorismo comunitário voltado à competitividade e à inovação dos negócios mediante a realidade territorial”, informa Renato das Neves.

Como vai funcionar - O projeto terá 12 meses de execução e está centralizado em três núcleos estratégicos com as suas equipes interdisciplinares. O Núcleo I, lnclusão produtiva e desenvolvimento local, promoverá a capacitação da comunidade, por meio da oferta de cursos ministrados pelas equipes sobre empreendedorismo sustentável e tradicional, uma vez que parcela da população depende dos programas sociais.

No Núcleo II, lnfraestrutura e qualidade de vida, serão ministrados os conhecimentos para projetar melhorias na infraestrutura física de moradias do quilombo para que a comunidade tenha acesso a novos saberes construtivos e preserve as suas tradições arquitetônicas e culturais, tais como ambientes, cômodos e estilos habitacionais. Este núcleo desenvolverá um estudo fundiário, social, cultural e ambiental da comunidade em duas frentes. A primeira consiste em um estudo fundiário e territorial, que resultará num laudo técnico a respeito do território. A segunda será a construção de uma Cartografia Social do Território Quilombola de lgarapé Preto. Os estudos preliminares identificaram divergências entre a área descrita no memorial descritivo, que corresponde ao total de 24.880 hectares, e área reconhecida pelo Instituto de Terra do Estado do Pará (Iterpa), que seria de 17.352,0206 hectares. Todas as etapas serão aprovadas pela comunidade.

“O foco é ouvir a comunidade, levantar as suas expectativas e, posteriormente, de forma coletiva, utilizar materiais compatíveis com as construções existentes, mas fornecendo as potencialidades para as instalações hidrossanitárias, elétricas, lógicas e de comunicações eficientes e sustentáveis”, explica Kelly Alvino, vice-coordenadora do projeto e integrante da CRF-UFPA. 

Reunião Equipe Tecnologia Baiao OeirasTecnologia - Já no Núcleo III, Tecnologia e lnformação, será desenvolvido um aplicativo e um suporte operacional on-line para a divulgação das ações do Projeto e dar visibilidade às potencialidades culturais, turísticas e ambientais do território. Para André Montenegro, professor do ITEC-UFPA e coordenador de Pesquisa e Tecnologia do Projeto, a inclusão digital e o processo de democratização do acesso às tecnologias da informação quebraram a verticalização da produção de conhecimentos e horizontalizaram a inserção da sociedade no compartilhamento de informações e saberes por meio das múltiplas mídias sociais nas palmas das mãos.

A parceria, segundo André, gerará conhecimentos multiculturais e o empoderamento entre as equipes da UFPA e a comunidade quilombola, além de promover melhorias na qualidade de vida no território. “Para a CRF-UFPA, é uma alegria imensa abrir mais uma porta de produção de conhecimentos voltados para o ensino, a pesquisa e a extensão para além das suas experiências históricas envolvendo a gestão patrimonial institucional, a regularização fundiária e a superação de conflitos socioambientais em várias cidades da Amazônia Legal”, finaliza Montenegro.  

Texto: Kid Reis – Ascom CRF/UFPA
Fotos: Renato das Neves

registrado em:
Fim do conteúdo da página